facebook instagram
Cuiabá, 22 de Julho de 2024
logo
22 de Julho de 2024

Trabalhista Terça-feira, 22 de Setembro de 2020, 09:15 - A | A

22 de Setembro de 2020, 09h:15 - A | A

Trabalhista / RISCO DE MULTA

Mesmo após decisão do TST, sindicatos dos Correios mantêm greve

O TST considerou que o movimento grevista não foi abusivo, mas decidiu retirar os direitos econômicos e manter algumas cláusulas sociais

Da Redação



Apesar de o Tribunal Superior do Trabalho (TST) determinar o fim da greve dos Correios e o retorno ao trabalho nesta terça-feira (22), os trabalhadores decidiram manter a paralisação.

A decisão de seguir com a greve foi anunciada pelas entidades sindicais, que representam esses trabalhadores, conforme afirmou o presidente do Sindicato Trabalhadores nos Correios de Mato Grosso (Sintect-MT), Edmar Leite.

“Quem determina o fim da greve são os trabalhadores”, disse Leite.

O TST considerou que o movimento grevista não foi abusivo, mas decidiu retirar os direitos econômicos e manter algumas cláusulas sociais.

A ministra relatora Kátia Arruda destacou em seu voto que houve intransigência dos Correios em aceitar os acordos anteriormente proposto. Ela votou para que todos os direitos fossem mantidos, mas acabou parcialmente vencida.

“Os funcionários sinalizaram disposição em negociar, mas a estatal desde o início foi de absoluta resistência”, afirmou a ministra.

A ministra disse, ainda, que “houve uma patente conduta negativista para negociar por parte da empresa. Eu, com 30 anos na Justiça do Trabalho, jamais tinha vivenciado uma conduta desta”.

Para Edmar Leite, a decisão do TST já era esperada. “É uma Justiça que trabalha contra os trabalhadores”.

O TRT fixou multa de R$ 100 mil por dia, caso os empregados não voltarem ao trabalho hoje. (Com informações da Assessoria)