facebook instagram
Cuiabá, 24 de Junho de 2024
logo
24 de Junho de 2024

Penal Terça-feira, 06 de Agosto de 2019, 16:51 - A | A

06 de Agosto de 2019, 16h:51 - A | A

Penal / “GRAMPOLÂNDIA PANTANEIRA”

Borges: placas usadas para grampear foram cedidas à Sejusp em 2010

Segundo o procurador-geral de Justiça, o MPE e a Sejusp assinaram termo de cessão de uso dos equipamentos, que foram levados para a secretaria

Da Redação



O procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges, revelou que o Ministério Público do Estado e a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) assinaram, em 2010, termo de cessão de uso de bem móvel a título gratuito de duas placas e um Hard-lock, da marca Wytron.

O documento foi localizado, em diligência, no Arquivo Central da Procuradoria-Geral, na semana passada.

Os fatos vieram à tona na investigação instaurada pelo Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco) Criminal, após militares envolvidos no caso “Grampolândia Pantaneira” afirmarem que as placas utilizadas para o cometimento de escutas telefônicas ilegais pertenciam ao MPE.

O termo de cessão de uso dos equipamentos, conforme apurado até o momento, foi assinado em 20 de abril de 2010, pelo então procurador-geral de Justiça Marcelo Ferra de Carvalho e pelo secretário-adjunto de Assuntos Estratégicos da Sejusp à época, Alexandre Bustamante dos Santos.

O documento estabeleceu que o bem deveria ser restituído ao Ministério Público no prazo de seis meses.

Além disso, a sua destinação deveria ser exclusivamente ao uso nas atividades afetas às atribuições legais da cessionária, no caso a Sejusp, sendo vedada a sua utilização em outras operações estranhas à que se propunha o termo.

O procurador afirmou que as investigações continuam e que outras diligências são realizadas para esclarecer o caso, inclusive para saber se as placas chegaram a ser devolvidas ao Ministério Público ou se os equipamentos tiveram outro destino, uma vez que ainda não foram localizados. (Com informações da Assessoria do MPE)