facebook instagram
Cuiabá, 24 de Julho de 2024
logo
24 de Julho de 2024

Cível Sexta-feira, 22 de Maio de 2020, 09:35 - A | A

22 de Maio de 2020, 09h:35 - A | A

Cível / OMISSÃO

MP ameaça processar o Estado por falta de transparência nos leitos do SUS

Em notificação expedida ao governador Mauro Mendes e ao secretário Gilberto Figueiredo, o MPE ressaltou que a ausência do ato regulamentador no prazo estabelecido poderá ensejar a adoção de Ação Direta de Inconstitucionalidade por omissão

Da Redação



Apesar de ter sido sancionada há quase dois anos, a Lei Estadual nº 10.783/2018, que trata da transparência nas informações a respeito da utilização dos leitos hospitalares do Sistema Único de Saúde de Mato Grosso (SUS), até hoje não foi regulamentada.

Por conta disso, o Ministério Público Estadual (MPE) notificou, nesta quinta-feira (21), o governador Mauro Mendes e o secretário de Saúde, Gilberto Figueiredo, para que regulamentem normativa no prazo máximo de 90 dias.

No documento, o MPE ressaltou que a ausência do ato regulamentador no prazo estabelecido poderá ensejar a adoção de Ação Direta de Inconstitucionalidade por omissão.

Além do procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges Pereira, também assinaram a notificação o subprocurador-geral de Justiça Jurídico e Institucional, Deosdete Cruz Junior, o titular da Procuradoria de Justiça Especializada em Defesa da Saúde e Cidadania, procurador Edmilson da Costa Pereira e o promotor de Justiça Alexandre de Matos Guedes.

De acordo com o procurador-geral de Justiça, o Ministério Público vem ao longo dos anos atuando junto aos órgãos de saúde para garantir transparência na política estadual de regulação do SUS, mas poucos avanços foram obtidos.

“Com a pandemia, a situação complicou ainda mais. Esperamos que com a regulamentação da Lei 10.783/2018 o Estado possa finalmente implementar um sistema que possibilite o acesso à informação em tempo real sobre o número de leitos ocupados e livres nas unidades de saúde, nos hospitais e UTIs credenciadas no SUS”, ressaltou Borges.

Em reunião realizada esta semana pela Procuradoria de Justiça Especializada na Defesa da Cidadania, por videoconferência, a Superintendência de Controle e Avaliação da Regulação explicou que a rede hospitalar encaminha todos os dias e-mail informando a quantidade de leitos disponível.

Embora o governo tenha divulgado em 2017 que estaria capacitando os servidores para implantação do Sistema Online de Regulação (Sisreg) em todo o Estado, até o hoje a proposta não foi efetivada.

O procurador de Justiça Edmilson da Costa Pereira explicou que em vários Estados da Federação o sistema de regulação já é online com a disponibilização de todos os pedidos efetuados em tempo real, evidenciando, inclusive, a ordem de classificação dos pedidos.

Em Santa Catarina, por exemplo, existe até mesmo um portal para que o cidadão tenha acesso às informações sobre a sua posição e previsão de atendimento nas listas de espera por serviços de saúde no SUS. As pesquisas são realizadas pelo documento do paciente ou por Central de Regulação e Procedimento.

Para que sistema semelhante funcione em Mato Grosso, o MP destacou a necessidade da modernização e adequação das Unidades de Regulação. A proposta é que seja criada uma rede, coordenada pela gestão estadual, integrada pelos municípios e controlada, efetivamente, inclusive com compartilhamento das informações sobre as desconformidades constatadas, pelos Conselhos Municipais, Tribunal de Contas e Ministério Público. (Com informações da Assessoria do MPE)