facebook instagram
Cuiabá, 24 de Junho de 2024
logo
24 de Junho de 2024

Penal Quarta-feira, 04 de Dezembro de 2019, 07:45 - A | A

04 de Dezembro de 2019, 07h:45 - A | A

Penal / OPERAÇÃO YBYRÁ

PF prende índios e madeireiros por extração ilegal de aroeira

Uma grande propriedade rural está sendo arrestada (apreendida judicialmente) por ter adquirido madeira oriunda da reserva indígena

Da Redação



A Polícia Federal cumpre na manhã desta quarta-feira (4), durante a Operação Ybyrá, 12 mandados de prisão contra uma organização criminosa, formada por índios e madeireiros, que atuava no processo de extração ilegal de aroeira na região da Terra Indígena Sararé, localizada no município de Conquista D’Oeste (a 538 km de Cuiabá).

Ainda são cumpridos 13 mandados de busca e apreensão nas cidades de Nova Lacerda e Conquista D’Oeste. As ordens foram expedidas pela Justiça Federal de Cáceres.

Uma grande propriedade rural está sendo arrestada (apreendida judicialmente) por ter adquirido madeira oriunda da reserva indígena.

A investigação apontou a participação de lideranças indígenas na estrutura da organização, uma vez que os índios envolvidos permitiam a exploração da reserva em troca de pagamentos periódicos ou outros benefícios.

A apuração teve início no ano de 2017, a partir da prisão em flagrante realizada em uma ação de fiscalização de Terra Indígena. Tais fiscalizações visavam coibir a prática de crimes ambientais no interior das reservas e são coordenadas pela Funai, contando com o apoio do Ibama e de forças policiais.

O foco da exploração ambiental investigada na operação foi a extração da aroeira, espécie que tem o corte proibido em floresta primária desde 1991 por uma portaria normativa expedida pelo Ibama.

No período da investigação, foram apreendidas mais de 1.200 lascas de aroeira avaliadas em cerca de R$ 50 mil.

A operação visa também identificar outras pessoas responsáveis pela aquisição da madeira, as quais serão indiciadas pelo crime ambiental e pela organização criminosa, bem como os imóveis serão apreendidos para ressarcimento ambiental.

Os presos serão conduzidos para a Delegacia de Polícia Federal em Cáceres onde serão ouvidos e encaminhados à cadeia local permanecendo à disposição da Justiça.

O nome da operação faz menção ao significado das palavras “árvore, tronco, madeira” no dialeto tupi. (Com informações da Assessoria da PF)