facebook instagram
Cuiabá, 16 de Junho de 2024
logo
16 de Junho de 2024

Eleitoral Quarta-feira, 25 de Setembro de 2019, 17:07 - A | A

25 de Setembro de 2019, 17h:07 - A | A

Eleitoral / ALEGAÇÕES FINAIS

MP Eleitoral cita omissão de gastos de campanha e pede cassação de Janaina Riva

Além da perda do mandato, foi pedido ainda a condenação por litigância de má-fé em razão de inadequado comportamento processual no curso do processo

Da Redação



O Ministério Público Eleitoral (MP Eleitoral) requereu a cassação da deputada estadual, Janaina Riva, por omitir despesas e receitas da campanha eleitoral do ano passado.

Na manifestação encaminhada ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT), o órgão ministerial citou a contratação de prestadores de serviços, em especial, pela omissão de declaração das receitas dos serviços estimáveis em dinheiro que lhe foram doados. Assim, acaso tais valores fossem declarados, o limite estipulado de gastos para o cargo seria ultrapassado.

Além da perda do mandato, foi pedido ainda a condenação por litigância de má-fé em razão de seu inadequado comportamento processual no curso do processo.

Outro pedido foi a quebra de sigilo bancário de 12 pessoas que participaram diretamente da campanha de reeleição da deputada estadual, mas não tiveram seus nomes declarados na prestação de contas, a exemplo de dois prestadores de serviço que, além de utilizarem veículo e combustível do comitê eleitoral, atuavam na recepção e distribuição de materiais de campanha na cidade de Colíder.

Na inicial do processo, o MP já havia solicitada a quebra de sigilo bancário, que foi negada pela Justiça Eleitoral.

“Desta feita, a quebra de sigilo bancário mostra-se perfeitamente necessária e adequada, além de contar com previsão específica no artigo 72, § 5º, da Resolução TSE nº 23.553/2017. (…) Afinal, sem a documentação almejada decorrente da quebra de sigilo bancário, houve prejuízos à inquirição das testemunhas pelo Ministério Público, enfraquecendo a prova oral pela incompletude dos questionamento e dados, e, ainda mais grave, impediu conhecer circunstância essenciais às irregularidades objeto desta demanda”, enfatizou.

Omissão de informações

De acordo o parecer, diversos prestadores de serviços deixaram de ser declarados nas contas de campanha de Janaina Riva, tendo sido a existência destes omitida dos órgãos de controle. Com o registro dos serviços efetivamente prestados, constatou-se o excesso do limite de receitas e gastos de campanha.

Em sua defesa, a deputada alegou que as omissões indicadas pelo MP tratam-se de serviços gratuitos prestados por simpatizantes e apoiadores em valores estimados inferiores a mil UFIRs, os quais não seriam passíveis de escrituração contábil.

Acontece que, segundo o órgão ministerial, a soma de todas as despesas e/ou receitas omitidas aos valores declarados excedem o limite de gastos de R$ 1 milhão, fixado pelo artigo 6º, inciso II, da Resolução TSE nº 23.553/2017.

"(...) mesmo buscando-se adotar parâmetros cautelosos para tais estimativas, ainda assim, tem-se suficiente gravidade no conjunto dos gastos e arrecadação de recursos de campanha, porquanto, mesmo sem o deferimento do afastamento do sigilo bancário, restou evidenciada a irregularidade material decorrente de omissão de receitas de, no mínimo, R$ 163.398,87 (...) - superando, portanto, o limite de gastos de R$ 1.000.000,00".

Mas, conforme o levantamento feito pelo Ministério Público, a irregularidade se refere, principalmente, à omissão de 24 pessoas que teriam atuado ativamente, de modo coordenado, direto e ininterrupto na campanha para reeleição da deputada estadual, que não constaram na contabilidade oficial nem mesmo como voluntários.

“São prestadores de serviço que abasteceram veículos locados ou cedidos pela campanha em postos localizados em diversos municípios, com consumos significativos de combustíveis, o que evidencia tratar-se de pessoa de relevo no contexto da campanha, que desempenharam atividades tipicamente de liderança local, tanto que, juntos, visitaram ou percorreram 33 cidades”, ressaltou o órgão. No documento de alegações finais é frisado que não há como conceber que tenha sido realizada filantropia no caso mencionado.

Em determinado período do trâmite processual, o MP afirmou que a própria deputada reconheceu a omissão de serviços prestados por três servidoras públicas comissionadas, lotadas em seu gabinete, ao apresentar prestação de contas retificadora intempestiva para tentar sanar a falha.

Uma das servidoras teria trabalhado na campanha eleitoral durante o horário de expediente, o que caracteriza receita proveniente de receita vedada. "(...) dita servidora estava de licença médica no período de 10 a 14/09/2018. Acontece que soa enigmático - talvez nem tanto - o motivo pelo qual a ‘grave enfermidade’ que, em tese, teria acometido a saúde da sra. (...) por 05 dias consecutivos, impossibilitando-a para o exercício do trabalho, não a impediu de percorrer diversos municípios nos dias 13, 14 e 15/09/2018 para prestar serviços de campanha em companhia da representada", aponta o órgão ministerial.

Outro fator destacado, em relação a retificação extemporânea realizada pela deputada, seria o fato de que cada uma das assessoras teria recebido o valor de R$ 1.500,00 para realizar o trabalho na campanha eleitoral. O valor foi considerado incompatível pelo MP, principalmente ao se verificar as respectivas qualificações e atividades desempenhadas pelas pessoas citadas, considerando ainda que estas tiveram que se afastar de atividades habituais, com remunerações muito superior ao valor estimado da doação, já que foi verificado que uma das assessoras recebe aproximadamente R$ 14 mil de salário e outra cerca de R$ 7 mil.

“Em síntese, a partir de todas as informações que lograram ter sido identificadas, tornou-se possível aferir um grave quadro de falta de transparência da campanha da representada, financiada em sua maior parte com recursos públicos, com excesso de limite de gastos e ao limite de contratação de cabos eleitorais - muitas vezes, ainda, com verdadeira confusão entre as atividades parlamentares e as atividades de campanha”,, diz outro trecho do parecer.

Por fim, o MP Eleitoral reforçou que, sendo certa a omissão de relevante quantitativo de trabalhadores em campanha, na melhor das hipóteses houve omissão de arrecadação, mensurável em dinheiro, com chances concretas de que o limites de gastos tenha sido desrespeitado.

“Não obstante, é perfeitamente plausível que nem todos os apoiadores tenham trabalhado voluntariamente, situação esta que implicaria, a par das irregularidades já apontadas no melhor cenário, na ausência de contabilização de receitas arrecadas ou, em outras palavras, ‘caixa dois’”.

LEIA ABAIXO O PARECER. (Com informações da Assessoria do MPF-MT)

Anexos