facebook instagram
Cuiabá, 22 de Julho de 2024
logo
22 de Julho de 2024

Cível Segunda-feira, 25 de Maio de 2020, 10:20 - A | A

25 de Maio de 2020, 10h:20 - A | A

Cível / AÇÃO DA PGR

Salário de procuradores não pode ser vinculado ao de ministros do STF

Considerando o grave quadro de dificuldade financeira que Mato Grosso enfrenta, Augusto Aras reforçou a necessidade da suspensão imediata da Lei Estadual 10.276/2015

Da Redação



O procurador-geral da República, Augusto Aras, apresentou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) ao Supremo Tribunal Federal (STF), com pedido de medida cautelar, para suspender a Lei Estadual 10.276/2015, que vincula a remuneração de procuradores do topo da carreira da Assembleia Legislativa de Mato Grosso a 90,25% dos subsídios de ministros da Suprema Corte.

O artigo 1º da norma estadual fixa ainda escalonamento dos subsídios recebidos pelos procuradores, com diferença de 5% entre uma classe e outra.

Com isso, a lei cria um gatilho de reajuste remuneratório automático, em contrariedade à Constituição e à jurisprudência consolidada do próprio STF, segundo o procurador-geral da República.

No entendimento de Aras, os dispositivos violam os comandos constitucionais da fixação de remuneração por lei específica (artigo 37, inciso X), da vedação à vinculação remuneratória (artigo 37, inciso XIII) e da autonomia do Estado-membro (artigo 25); além de contrariarem os parâmetros para a fixação de vencimentos (artigo 39, parágrafo 1º).

Considerando o grave quadro de dificuldade financeira que Mato Grosso enfrenta, Augusto Aras reforçou a necessidade da suspensão imediata do dispositivo.

“A situação é ainda mais preocupante na atual conjuntura de enfrentamento da epidemia de covid-19, com queda substancial da arrecadação dos estados, decorrente da paralisação de setores estratégicos para a economia, e da necessidade de auxílio estatal para a população mais carente de recursos”, salientou.

A proibição constitucional da vinculação entre remunerações visa evitar que a alteração de uma carreira repercuta automaticamente em outra.

“O atrelamento remuneratório implicaria reajuste automático de uma categoria de agentes públicos sem lei específica, sempre que a categoria paradigma fosse contemplada com elevação de estipêndios”, explica Aras.

“O diploma atrelou os futuros reajustes dos subsídios daqueles agentes públicos estaduais às alterações promovidas pela legislação federal pertinente, ou seja, aos reajustes concedidos pela União aos ministros do STF. Há, portanto, ofensa direta e frontal aos arts. 25, 37, X e XIII, e 39, § 1º, da Constituição Federal”.

Pedidos

O procurador-geral requer que o Supremo conceda medida cautelar para suspender a eficácia da lei estadual e, ao final, postula que se julgue procedente o pedido para declarar a inconstitucionalidade do art. 1º da Lei 10.276/2015 do Estado de Mato Grosso.

LEIA ABAIXO A ADI. (Com informações da Assessoria do MPF)

Anexos