facebook instagram
Cuiabá, 19 de Junho de 2024
logo
19 de Junho de 2024

Cível Sábado, 15 de Junho de 2019, 08:41 - A | A

15 de Junho de 2019, 08h:41 - A | A

Cível / DANOS AMBIENTAIS

Justiça paralisa obras nas rodovias MT-140 e MT-240 e bloqueia R$ 10 mi

O montante bloqueado é para garantir a implementação das medidas emergenciais de proteção ao meio ambiente

Da Redação



A  Justiça de Mato Grosso determinou a imediata paralisação das obras nas rodovias MT-140 e MT-240 em razão dos danos ambientais causados, a restauração ecológica do local, levantamento e elaboração de projeto de restauração ecológica de outras áreas degradadas na Área de Proteção Ambiental (APA) das Cabeceiras do Rio Cuiabá e o bloqueio de R$ 10 milhões nas contas bancárias existentes em nome dos requeridos.  

A decisão foi proferida em uma consta na ação civil pública proposta pelo Núcleo de Defesa do Meio Ambiente Natural e da Ordem Urbanística em desfavor do Estado de Mato Grosso, Associação dos Beneficiários da Rodovia da Produção e Associação dos Beneficiários da Rodovia MT-140.  

O montante bloqueado é para garantir a implementação das medidas emergenciais de proteção ao meio ambiente.  

Além disso, foi estipulada multa diária no valor de R$ 20 mil em caso de descumprimento da ordem judicial.   

Ação 

Na ação, o MPMT alegou que instaurou inquérito civil para apurar a realização dos trabalhos de terraplenagem e aterramento para elevação de grade, visando à pavimentação das rodovias MT-140 e MT-240, cortando a APA das Cabeceiras do Rio Cuiabá.  

De acordo com o promotor de Justiça Joelson de Campos Maciel, a equipe técnica multidisciplinar do Projeto Verde Rio realizou vistoria no local e constatou grave degradação ambiental ocasionada pela implantação inadequada das rodovias na área, atingindo diretamente a cabeceira de drenagem, interrompendo o curso natural da principal e mais alta nascente do Rio Cuiabá. Trechos de divisa dos municípios de Rosário Oeste e Santa Rita do Trivelato e da MT-140 foram apontados como os pontos mais críticos de degradação.  

“A referida área de proteção ambiental é reconhecida como Área Prioritária para a Conservação, Utilização Sustentável e Repartição de Benefícios da Biodiversidade do Cerrado e do Pantanal, conforme classificação do Ministério do Meio Ambiente, sobretudo em razão do Rio Cuiabá contribuir para as cheias do Pantanal Mato-grossense, de modo que a preservação de suas cabeceiras ajuda a preservar sistemas naturais muito mais amplos e delicados”, argumentou.  

Ainda segundo Joelson Maciel, o Ministério Público requisitou por diversas vezes à Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra) a adoção de medidas para impedir condutas lesivas que degradam a APA das Cabeceiras do Rio Cuiabá, contudo, o órgão se absteve da responsabilidade pelas obras.      

Acordo  

Nesta sexta-feira (14), após tomar ciência da decisão judicial, representantes das associações requeridas procuraram os promotores de Justiça responsáveis pela ação e demonstraram interesse em firmar um acordo para a resolução do problema.  

Uma reunião de trabalho entre as partes ficou agendada para a próxima segunda-feira (17), às 9h30.  

“A expectativa é que possamos chegar a um consenso para a solução da demanda o mais rápido possível, inclusive com a elaboração do plano de manejo da área de proteção ambiental”, ressaltou o promotor de Justiça Joelson de Campos Maciel. (Com informações da Assessoria de Imprensa do MPE/MT)