facebook instagram
Cuiabá, 19 de Junho de 2024
logo
19 de Junho de 2024

Administrativo Sábado, 26 de Outubro de 2019, 07:10 - A | A

26 de Outubro de 2019, 07h:10 - A | A

Administrativo / DEPENDÊNCIA QUÍMICA

Judiciário discute ações para prevenção e tratamento

Os convidados debateram sobre o tema por mais de 4 horas e promoveram uma agenda para encontrar caminhos na mitigação do problema

Da Redação



Membros do Poder Judiciário de Mato Grosso e representantes de instituições e do poder público do Estado se reuniram nesta semana e discutiram soluções de prevenção e tratamento da dependência química.

Os convidados debateram sobre o tema por mais de 4 horas e promoveram uma agenda para encontrar caminhos na mitigação do problema.

O encontro contou com a presença dos desembargadores Mário Kono e Marcos Machado e foi enriquecida com histórias comoventes como a do motorista, Adilson Dias Santos, pai que luta há 16 anos para tirar o filho do mundo das drogas.

“Dei a melhor educação que pude, me esforcei, dei tudo de mim e infelizmente estou nessa luta para tirar meu filho desse mundo há muito tempo. Nós precisamos de iniciativas como essa do Judiciário, porque a dependência química vem crescendo no nosso país e as políticas públicas não estão conseguindo abarcar esse problema que atinge a todos nós”, narrou.

E também a presença e história de vida do palestrante, Tadeu Bezerra, que ficou paraplégico, após ser atingido por um tiro na coluna.

“Eu passei por isso, estive viciado por anos e acabei por ser baleado e ficando paraplégico. Sem dúvida uma reunião ampliada como essa é importante para podermos discutir um tema tão complexo. Hoje estou numa cadeiras de rodas devido o uso de drogas. Sei bem o que significa estar imerso nesse mundo. Esse é um pontapé inicial, para que pessoas que adentraram nessa situação e não tem a quem recorrer, possa ter um fio de esperança”, comentou.

Mário Kono atuou muitos anos no Juizado Especial Criminal de Cuiabá (Jecrim), um dos pioneiros na implementação da Justiça Terapêutica em Mato Grosso, defende a internação involuntária, amparado pela nova Lei 13.840/2019 (que modifica 12 normativas da Lei Antidrogas).

Já Marcos Machado é coordenador da Comissão Especial sobre Drogas Ilícitas do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) e também já realiza um trabalho para a recuperação de dependentes químicos em conflito com a lei. (Com informações da Assessoria do TJMT)