facebook instagram
Cuiabá, 16 de Junho de 2024
logo
16 de Junho de 2024

Administrativo Sábado, 19 de Outubro de 2019, 07:20 - A | A

19 de Outubro de 2019, 07h:20 - A | A

Administrativo / JUSTIÇA PRESENTE

Judiciário de MT busca qualificação profissional para menores infratores

O objetivo é garantir acesso à educação e à qualificação profissional, assim como o acompanhamento constante durante a internação e o reforço a laços familiares e comunitários

Da Redação



O Poder Judiciário de Mato Grosso, por meio do programa Justiça Presente, busca soluções para o sistema socioeducativo Estadual. A medida engloba ações desde do adolescente ingressar no sistema até a garantia de direitos para os que estão internados.

O objetivo é garantir acesso à educação e à qualificação profissional, assim como o acompanhamento constante durante a internação e o reforço a laços familiares e comunitários.

Para a juíza da 2ª Vara Especializada da Infância e Juventude de Cuiabá e coordenadora do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec), Cristiane Padim da Silva, a grande missão é construir soluções para as crises do socioeducativo.

“Começando por levantar referências fidedignas da nossa realidade. Precisamos de dados reais de adolescentes que cumprem medida socioeducativas no sistema aberto e no fechado. A partir das informações poderemos traçar, planejar e executar ações efetivas”, pontuou a magistrada.

Além do levantamento de informações exatas, o Judiciário trabalha com iniciativas do primeiro emprego, reserva de vagas de estágio no próprio Poder, realização de círculos de construção de paz, da Justiça Restaurativa.

“No âmbito estadual, temos uma atuação junto ao Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário/socioeducativo de Mato Grosso (GMF) aliados ao Poder Executivo, ao Ministério Público, a Ordem dos Advogados do Brasil, a Defensoria e a sociedade em geral. Com ajuda do CNJ, respeitando nossas particularidades, podemos servir de espelho para os demais entes da Federação. Nós buscamos ir além de retribuir o mal com o mal, queremos alcançar esse adolescente que em algum momento entrou em conflito com a lei e dar-lhe ferramentas para que não volte a errar”, citou a juíza.

Uma das dificuldades é a gestão de sistemas de informação, as falhas na articulação entre atores e os desafios na consolidação de estruturas e fluxos adequados. Por conta disso, o sistema socioeducativo tornou-se mais um dos focos do programa Justiça Presente por meio de parceria entre o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

O Justiça Presente busca encontrar ferramentas que regem o funcionamento do socioeducativo, como sistemas de informação e de atenção, fortalecendo a atuação de todos os envolvidos. As ações seguem o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), assim como o Plano Nacional de Atendimento Socioeducativo. (Com informações da Assessoria do TJMT)