facebook instagram
Cuiabá, 25 de Julho de 2024
logo
25 de Julho de 2024

Administrativo Sexta-feira, 16 de Outubro de 2020, 09:04 - A | A

16 de Outubro de 2020, 09h:04 - A | A

Administrativo / RESSOCIALIZAÇÃO

Rede é criada para ajudar presos que deixam o sistema prisional em MT

Composta por 29 membros fundadores, a Raesp-MT tem por objetivo auxiliar egressos do sistema prisional e seus familiares a terem acesso a serviços e políticas públicas, assim como a um trabalho digno

Da Redação



A Rede de Atenção à Pessoa Egressa do Sistema Prisional (Raesp) de Mato Grosso foi criada oficialmente nesta quinta-feira (15), com a realização da Assembleia Constituinte e a escolha do grupo que irá coordenar as ações da rede pelos próximos dois anos.

Com 23 votos a favor foi eleita a chapa 1, composta por três membros institucionais: Associação Mais Liberdade - representante dos egressos -, Pastoral Carcerária e o Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (GMF); e dois membros individuais: a psicóloga Carla Adriana de Queiroz e a agente penitenciária Eliana Lopes de Lima, como prevê o regimento interno.

Composta por 29 membros fundadores, a Raesp-MT tem por objetivo auxiliar egressos do sistema prisional e seus familiares a terem acesso a serviços e políticas públicas, assim como a um trabalho digno.

Representante do GMF na Raesp-MT, o juiz da Vara de Execuções Penais de Cuiabá, Geraldo Fidelis, avaliou que a rede vem fortalecer a recuperação de presos que deixam o sistema carcerário de Mato Grosso, um “Estado gigantesco, com uma grande extensão de fronteira seca”.

O juiz da comarca de Arenápolis, Diego Hartmann, também participou da Assembleia Constituinte e disse esperar que todo o trabalho de articulação para a criação da rede traga resultados práticos e que as pessoas que realmente precisam se sintam acolhidas.

Ressaltou ainda a necessidade de que as ações se espalhem para o interior e não se concentrem apenas na Capital. “É preciso fortalecer a interiorização dessas políticas”, reforçou o magistrado. (Com informações da Assessoria do TJMT)